quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Primeiro projeto desenvolvido. A estimulação essencial: estimulação dos sentidos no berçário




Como tudo começou... Bom o berçário foi amor à primeira vista, todos aqueles bebês, sorrisos, rotinas e a curiosidade de mundo que eu via nos olhos deles alegrava meu dia e despertava em mim a vontade de ensinar, aprender e contribuir com o desenvolvimento emocional e cognitivo deles.Sempre incentivada pela parceira, colega e diretora que me nutria de livros, revistas e mil idéias. Foi assim que comecei a escrever o primeiro projeto este que vou apresentá-las agora.
Justificativa: Observando e Pesquisando a fase de desenvolvimento dos alunos do berçário, chegamos a conclusão que para um bom desenvolvimento se faz necessário um plano de estimulação motora, cognitiva e emocional.
Desta forma, o presente projeto pretende contribuir com o trabalho de estimulação desenvolvido com crianças de 4 meses a 18 meses. Explorando os cinco sentidos: tato, visão, paladar, olfato e audição.
Definição do problema: É com intuito de oferecer a estimulação dos bebês do berçário por meio de uma sistematização de atividades utilizando como instrumento e abordagem de trabalho o livro “ O despertar do bebê “ de Janine Lévy, para que a nossa prática educativa e a ação pedagógica seja feita em conjunto com as famílias.
Originou-se da pergunta: Devemos deixar ao acaso, ao instintivo, a inspiração do momento, o cuidado de desencadear, reforçar, corrigir as aquisições motoras da criança, quando é possível – num clima de brinquedo e de segurança – aproveitar todas as ocasiões para dar-lhe os meios de progredir e adquirir autonomia?
Podemos prepará-la para dominar a posição sentada, tonificando-lhe a musculatura, para conquistar a posição de pé, fazendo com que ela perceba o papel e o apoio do pé : para andar , facilitando-lhe a busca de equilíbrio.
Não se trata de obriga - lá e menos ainda de “super - estimular” . Trata-se adaptando-nos a seu ritmo e personalidade – de favorecer-lhe o desabrochar, de deixá-la à vontade no próprio corpo, de acompanhar num certo sentido o seu desenvolvimento.
Tal modificação deverá atingir todos os gestos da vida quotidiana : o modo de carregar a criança, de trocá-la, de dar-lhe banho, comida, de brincar com ela...Será necessário aproveitar todas “ situações” para estimular e suscitar a atividade espontânea da criança .
Isso será possível se falarmos com ela, explicando-lhe o que se espera dela, apelando para a sua participação, interferindo o menos possível, procurando não perturbar sua atividade espontânea, dando-lhe tempo para mudar de posição, prolongando os movimentos que ela esboça deixando-a explorar e descobrir o seu mais bonito brinquedo: o próprio corpo.
Esta educação motora contribui não apenas para prevenir deformações , corrigir má postura e consolidar as aquisições motoras, mas é também um extraordinário fator de equilíbrio da criança – acalma –lhe a angústia e dá-lhe algo de inestimável, que é o sentimento de segurança.
Acresce a ação dos pais e educadores de mais um atrativo a tal ponto que este “ jogo do desenvolvimento” – composto de contato carnal, diálogos carinhosos, gratificações recíprocas, estímulos, - enriquece a relação adulto - criança.
A linguagem e o desenvolvimento psicomotor são à base do conhecimento, porém, acima e mais importante que tudo, é a descoberta do " eu existo". Um bebe se falasse, talvez pudesse dizer, em algum momento durante os primeiros anos de vida : "Eu descobri que existo, que tenho olhos, boca, nariz, que tenho minha barriga, que não sou um pedaço da minha mãe, nem a continuação do papai, eu sou eu, e sou assim."
Justamente isso é o que aponta a importância da educação nesse início de vida: a estruturação das bases da personalidade, o descobrir-se como pessoa, destacando o universo familiar, embora a ele ligado afetivamente, assim como a outras pessoas de suas relações próximas, como o seu educador, o adulto de referência, na escola.
Quando trabalhamos com educação infantil devemos pensar em algo primeiramente rico em experiências de base afetivo- social, produto de relações interpessoais ricas e estimulantes, entre adulto criança.
Nesses primeiros anos de vida, a criança precisa muito do adulto, e a relação que mantiver com ele será fundamental ao processo, tanto de formação de sua personalidade , quanto de aprendizagem, que é, nessa fase da vida, essencialmente de transmissão oral e de bases afetivas .
O adulto deve ser o intermediador entre a criança e o objeto de sua ação e conhecimento.
O estimulador deve agir com ele, deve brincar cooperativamente.
Todo o processo de estimulação visa a possibilitar a criança independência, auto estima, autonomia e segurança para que ela possa enfrentar novas experiências que resultaram em crescimento.
Caberá ao adulto estimulador conquistar sua confiança, observando que existem necessidades especiais como alimentação, higiene, descanso para que a ação pedagógica nesta fase possa ter um bom resultado.
A estimulação retira a criança da inércia, pelo convite á brincadeira afetivo - social com o adulto. Essa relação lúdica, de cooperação mútua, necessariamente
envolvida de linguagem , amplia o mundo de significados e de palavras o mundo de experiências intelectuais da criança, dando acesso a um universo de imagens auditivas, da fala, associadas ás situações concretas e significativas, proporcionadas pela brincadeira.
A estimulação não é apenas importante, ela é essencial ao desenvolvimento pleno e harmonioso da criança e atua sobre todas as funções psicomotoras, abrangendo até, se corretamente realizada, o desenvolvimento afetivo da criança, o incremento de sua auto - estima, visto como bem estar psicológico - afetivo, que deve ser o objetivo máximo da ação do adulto estimulador.
Para fazer esta estimulação de forma a colaborar com o desenvolvimento se faz necessário conhecer as possibilidades e limitações da fase com a qual estamos desenvolvendo nosso trabalho de estimulador.

Objetivo geral
Estimular de forma significativa e corretamente crianças entre 4 e 18 meses.
Objetivos específicos
• Verificar o desenvolvimento psicomotor, emocional, social e cognitivo de cada aluno individualmente.
• Buscar as diversas maneiras da estimulação essencial
• Observar as reações através da estimulação do tato, paladar, olfato, visão e audição.
• Massagear para que haja uma aproximação física e emocional desenvolvendo segurança, bem estar geral e crescimento físico.
• Estimular as diversas linguagens

Estudo da fase de desenvolvimento em questão.
Nessa fase entre 4 meses e 12 meses as crianças estão descobrindo o mundo através das sensações e estímulos , ao longo do primeiro ano este mundo é dominado pelas sensações trazidas pelo tato, visão, audição, paladar e olfato e todos estes momentos tem sabor de descoberta que podem ser enriquecidos pelo professor que criará espaços e desafios.

Estratégias planejadas
Pretende-se por meio de práticas estimulativas, sistematizar estimulações significativas para o processo ensino aprendizagem da criança.
• Realizar exercícios de acordo com a faixa etária
• Realizar a prática de massagem Shantala
• Realizar fichas de observação do desenvolvimento
• Estimulação dos sentidos
• Circuito de estimulação
• Aulas de música
• Hora da massagem
• Fichas de desenvolvimento dos sentidos

Atividades planejadas e pesquisadas de acordo com a fase de desenvolvimento:

Bolinha de sabão - desenvolve a visão, os detalhes, o brilho das bolinhas estimulam os movimentos visuais, além de desenvolver a coordenação motora pois os movimentos do bebê vão em direção as bolinhas, desenvolvendo a percepção visual no sentido de aparecer e desaparecer.
Lenços mágicos coloridos - estimulação visual é para o bebê um jogo visual que a estimuladora com pequenos movimentos realiza.
Para - quedas - desenvolve o tato, pois o toque do tecido no corpo conforme o balanço traz sensações para o bebê, além de estimular a visão, pois é muito colorido. Desenvolve a socialização.
Chocalho de fitas - desenvolve a visão com as várias formas e cores desenvolvem o tato por ter uma variedade de texturas das fitas, desenvolve a simulação de movimentos e a coordenação motora fina.
Brinquedos que cantam - desenvolve a audição, pois o bebê procura e localiza o som, percebendo os movimentos da estimuladora.
Bola boot - desenvolve o tato, pois ao rolar desperta sensações no bebê combinada a movimentos corporais através do balanço feito pela bola.
Brincando de pegar - desenvolve o tato pois o bebê pega vários brinquedos, visual pois todos são coloridos e a coordenação motora movimento do engatinhar para pegar, encorajar o bebê desenvolve a socialização e a auto - estima além dos movimentos eventuais que o bebê realizará para atingir seu objetivo.
Garrafas coloridas - desenvolve o tato, a audição, pois as garrafas produzem diversos sons e movimentos de cor e água.
Lanterna - desenvolve a visão, a coordenação motora através do balanço e a busca pela luz, envolve o bebê no jogo de pegar o facho de luz .
Cursando obstáculos - desenvolve o tato, a visão e a coordenação motora além de propiciar o descobrimento de ângulos no ir e vir sem bater nos objetos.
Fantoche - desenvolve o tato ao pegar os personagens e sentir suas diferentes texturas, a visão devido a várias cores e formas e a audição pelas conversas e a interação propiciada pelo objeto animal, bichinho preferido etc...
Livro de texturas - desenvolve o tato devido as várias texturas propiciadas no livro, desenvolve a coordenação motora fina, a linguagem pois a estimuladora narrara as texturas ( este é macio, oh este é áspero, e este como é????) .
Montando torre - possibilita experiência de encaixe e noção de espaço e os diferentes tamanhos, desenvolvendo o toque e a percepção visual.
Jogos de encaixe - desenvolve a memória visual, resolução de problemas e a coordenação motora fina.

Recursos:
• Rolo
• Colchão
• Brinquedos que emitem som
• Espelho
• Livro
• Bolinha de sabão
• Bolas pequenas
• Bola bobot
• Para - quedas
• Lenços coloridos
• Chocalho de fitas
• Banquinho
• Minhoca
• Óleo de massagem
• Figuras coloridas
• Livro de texturas
• Lanterna pequena
• Jogos de encaixe
• Fantoche
• Garrafas coloridas
• Lego gigante
• Chocalhos

Bibliografia

• O despertar do bebê - práticas de educação psicomotora
• O bebê - o primeiro ano de vida
• Baby play- Gymboree
• Massageie seu bebê - toques que transmitem afeto e calma
• Império dos sentidos - Suzana Lakatos
• Estimulação essencial - Creches - Gilda Rizzo
• Guia prático - meu bebê - revista abril

Categorias pesquisadas
• Estimulação essencial
• Toques do dia a dia
• Massagem
• Estimulação dos sentidos
• Musicalização
• As diversas linguagens

6 comentários:

  1. Obrigada! Liliane Ribas dos 7 anos que estive no berçàrio 5 anos estivemos juntas...

    ResponderExcluir
  2. Rô...minha grande incentivadora, motivadora.Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. Uma resposta "simbiótica" e reflexiva ao carinho das suas palavras:

    “O sujeito-autor se constitui quando o ensinante e aprendente, em cada pessoa podem entrar em diálogo.”

    FERNANDEZ Alicia,Los Idiomas Del Aprendiente, Análises de modalidades de enseñanza En Famílias,
    Escuelas y Medios,Nueva Visión,Buenos Aires.2OOO.

    "[...]nos mostra a flexibilidade no exercício de cada um desses papéis visto que nesta dinâmica, em determinados momentos o sujeito é o ensinante e em outros, o aprendente."

    BEAUCLAIR, João. Para Entender Psicopedagogia: perspectivas atuais, desafios futuros. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2006.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ká...aprendemos e contruimos juntas muitas coisas, nossa luta sempre foi em boa causa...pela educação dos babys, aprendemos, construimos, reconstruimos, trocamos e crescemos...experências que somente somam a nossa vida...obrigado tb.
    Abraços Liliane

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigada pois através do seu trabalho eu tirei muitas dúvidas!!!
    Abraços

    ResponderExcluir